Porque elas não se decompõe?

A maior parte da matéria orgânica acaba se decompondo. Então o que há de especial sobre a matéria orgânica que se transformou em petróleo? A maior parte da degradação da matéria orgânica ocorre porque os animais necrófagos e bactérias usam oxigênio para transformar matéria orgânica em dióxido de carbono e água, liberando a energia armazenada ao longo do processo. No entanto, se não há oxigênio, os necrófagos não podem sobreviver e nem mesmo a maioria das bactérias.

xisto

Figura 1: Afloramento de xisto finamente laminado. Andrew Skudder. Esta foto está licenciada pela  Creative Commons Attribution-Share Alike . http://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/

No fundo de alguns oceanos, mares e lagos, a água não contém oxigênio suficiente para suportar a vida que, de outra forma, decomporia a matéria orgânica. Neste caso ela fica preservada. Quando isso acontece, você acaba formando sedimentos escuros ricos em matéria orgânica que se tornam rochas escuras como os folhelhos (Figura 1)
Depois de reunir todos os ingredientes necessários, a matéria orgânica precisa ser “cozida” na quantidade certa. Isso ocorre durante o soterramento. As temperaturas naturalmente se elevam nos locais mais profundos do interior da terra. O óleo começa a formar a partir da matéria orgânica a cerca de 50 ˚C, com condições ótimas na faixa de 60-150 ˚C.

xisto2

Figura 2: As falésias de arenito inclinadas e falhadas podem se tornar em rochas reservatório excelentes.
Figura 3: Tipos de armadilhas
Figura mostrando tipos de armadilha.
Figura 4: Estrutura da armadilha com gás na parte superior.

O calor decompõe os compostos orgânicos complexos nos hidrocarbonetos mais simples que compõem o óleo. Entretanto, a temperatura deve ser mantida. Muito calor irá “quebrar” os hidrocarbonetos ainda mais, primeiro em pequenas moléculas como o etano, metano e butano que compõem o gás natural (que é útil). Com muito mais calor os hidrocarbonetos irão quebrar completamente.

O óleo não fica na rocha fonte durante muito tempo. Quando a rocha-fonte é soterrada, não são apenas as temperaturas que aumentam, mas também a pressão, à medida que centenas e milhares de toneladas de outras rochas se acumulam no topo.
A pressão faz com que o óleo líquido migre da rocha-fonte (migração primária) para qualquer outra rocha permeável ou porosa que esteja por perto. A rocha porosa e permeável que recebe o óleo é chamada de rocha reservatório. É necessário que ela tenha poros entre os grãos para que o óleo possa migrar, assim os arenitos são rochas muito boas para reservatório.
O óleo tende a migrar para a superfície (migração secundária) porque é menos denso do que a rocha e toda a água que contida na rocha do reservatório. Se não houver nada para detê-lo, o óleo continuará a migrar até chegar à superfície. Isto é o que está acontecendo no La Brea Tar Pits e em vários vazamentos de óleo na costa sul de Dorset, no Reino Unido.

No entanto, algumas rochas não são permeáveis e não permitem que o óleo as atravesse, retendo o líquido como uma barreira. Esta rocha impermeável é chamada de rocha capeadora, encontrada normalmente na parte superior dos reservatório. A rocha capeadora pode ser outra rocha sedimentar como um argilito que tenha os grãos muito finos e densamente empacotados ou mesmo um sal. O sal tende a migrar até a superfície porque é muito menos denso do que outras rochas, às vezes também , fazendo algumas estruturas bastante interessantes.

A combinação da uma rocha fonte com a rocha de reservatório e rocha capeadora é conhecida como uma “armadilha”. Todas as três são necessários, bem como apenas a temperatura certa e história de pressão, para transformar as coisas mortas em óleo.
As rochas sedimentares formam muitos tipos diferentes de armadilhas (Fig. 3). ‘A’ é uma armadilha anticlinal causada pela dobra; ‘B’ uma falha justapõe um reservatório contra um selo, ‘C’: são armadilhas causadas por um domo de sal (seja diretamente ou por causa de dobramento derivado da migração flutuante de sal) ‘D’ é chamado de “armadilha sutil” causada por Lateral em sistemas sedimentares e ‘E’ é uma “armadilha de combinação” onde a combinação de elevação, erosão e dobramento tem encostado reservatório e rochas de vedação.
Onde está o gás?
O gás natural é formado da mesma maneira, ele apenas foi “cozinhado” ligeiramente mais quente ou por mais tempo do que o óleo. sendo É mais leve do que o óleo, flutua para o topo em uma estrutura de armadilha (Fig. 4).

Fonte: o OU FutureLearnFonte: o OU FutureLearn

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s